"Uma coleção privada de arte, uma que é contemporânea neste caso, é um processo, uma escolha, um compromisso que transporta ou tem uma visão crítica e um olhar diferenciado."

Tendo nascido em 2006, a coleção tem mais de 200 obras de artistas contemporâneos consagrados nacionais e internacionais, e em 2015 começou a ganhar uma definição mais curatorial.

" A desmaterialização é um tema recorrente na coleção, o mundo está
constantemente desmaterializando da maneira como o conhecemos. Coleccionar representa uma tentativa de parar ou reter aquilo que foi, é registrar o que é importante para as nossas vidas e representativo de um certo tempo, mesmo se essa momento é o dia de ontem. Jornais, discos, slides, moedas, fotos, formulários, livros, cartões postais; todos eles são objetos que faziam parte da minha infância e da minha vida, embora muitos não têm já utilidade. O que nós queremos registrar com a coleção é a velocidade a que o mundo está a mudar.


No momento em que a coleção recupera o que se foi, ela questiona o que está à frente. Um exemplo pode ser o trabalho de Marine Hugonnier (parte de a coleção), onde ela mostra jornais relatando a queda do Muro de Berlim. A desmaterialização do muro abriu caminho para uma nova século, assim como os objetos de que falei, com certeza revelando um novo mundo onde a realidade se confunde com o digital."